20/06/2018 | Eleições 2018

Eleições 2018: saiba como identificar uma fake news


Por Guilherme Anderson Sturm
CEO and Founder
Tempo de leitura: 3 minutos

Sabe aquelas correntes no WhatsApp, no Facebook? Falando de candidato A, candidato B, que fez isso, que deixou de fazer tal coisa, que falou C e D?

Então! Não podemos acreditar em tudo o que circula no mundo nas redes sociais. Existem muitas armadilhas e pegadinhas, e para isso, é preciso ficar atento para não repassar uma notícia falsa.

 

Mas como identificar uma fake news?

 

Cheque a fonte da informação

É preciso ficar atento na fonte na notícia, no site ou jornal que publicou a informação. Mesmo sendo um site conhecido, confira a data da publicação (muitos burburinhos acontecem em torno de uma notícia de três, quatros anos atrás, imagina?!). Confira as fotos, a escrita do texto e se o site em questão é mesmo o original. Muitos endereços usam cores e siglas muitos semelhantes a de grandes veículos de comunicação. E se for boato no WhatsApp, sem link, desconfie sempre. Na dúvida, não repasse!

Não se baseia apenas na chamada da matéria

Que muitos conteúdos são tendenciosos todo mundo sabe, não é mesmo? Em muitos casos, o título e a foto não condizem com o conteúdo da matéria. É o que chamamos de caça-cliques. Títulos e fotos que dão a entender um viés da história, mas ao ler o texto não é nada daquilo. Apenas uma tática para gerar mais tráfego para o site. Então: não compartilhe notícias apenas por ter lido o título ou ter visto a foto. Para repassar algo, tenha acesso a todo o conteúdo.

Aquela pesquisada no Google

Se ficou com dúvida sobre um determinado conteúdo, basta pesquisar no Google. Se a notícia for falsa, dificilmente encontrará algo sobre o assunto. Lembre-se: a notícia verdadeira estará estampada nos principais meios de comunicação.

Fique atento às piadas

Muitos sites, como o Sensacionalista, fazem piadas com os assuntos mais em voga na internet. Tome cuidado para não confundir piada com notícia verdadeira.

Empresas especialistas

Para conferir a autenticidade de determinados conteúdos, existem sites especializados no assunto. Um exemplo é o site Aos Fatos, que trabalha com uma rede internacional de checadores de fatos. Outra dica é a Lupa, primeira agência de checagem de fatos do país.

Ele, o WhatsApp

Fica como regra: não acredite em tudo o que você lê no WhatsApp! Não clique em links suspeitos e desconfie de promoções, notícias ou até recomendações médicas compartilhadas pelo aplicativo. Fique atento aos golpes pelo aplicativo! 

Levanta a mão quem já recebeu um áudio falando de algo de forma alarmista? “Ontem o fulano, que trabalha no hospital tal, alertou que todos fiquem atentos se aparecer alguém vestido de branco na sua casa, pois a pessoa tem intenção tal”. “Eu sou xx, do município do interior de tal estado, que estou alertando que o chefe do departamento x vai fazer tal ação para desencadear uma paralisação x”.

Fique atento que estes tipos de conteúdos não falam datas exatas, se reportam apenas de forma genérica, citando apenas o primeiro nome da pessoa. O principal intuito é o de gerar pânico e medo nas pessoas. 

 

Já escolheu a sua plataforma de financiamento coletivo? Ainda dá tempo!

Com o Robô de Arrecadação sua campanha terá um hotsite exclusivo, com links para compartilhar nas redes sociais

Ações do TSE no combate às fake news

O Tribunal Superior Eleitoral está na mira das fake news - que podem atrapalhar o andamento das eleições 2018. Para isso, firmou um acordo de colaboração com 10 partidos políticos para a manutenção de um ambiente eleitoral imune à disseminação de notícias falsas.

Pelos termos do acordo, os partidos políticos “se comprometem a manter o ambiente de higidez informacional, de sorte a reprovar qualquer prática ou expediente referente à utilização de conteúdo falso no próximo pleito”, atuando como colaboradores contra a proliferação de notícias falsas no pleito de outubro.

Seminário internacional sobre fake News

Acontece nesta quinta-feira, 21, o Seminário Internacional Fake News: Experiências e Desafios, uma parceria entre o TSE e a Delegação da União Europeia no Brasil. A iniciativa é um esforço conjunto com o objetivo de debater as implicações da disseminação de notícias falsas no processo eleitoral.

Com a proximidade das eleições gerais no Brasil, o assunto ganha relevo se considerado o potencial que as fake news têm de impactar negativamente o ambiente informativo na internet e nas redes sociais, comprometendo o resultado justo do pleito. 

Transmissão ao vivo

Haverá transmissão ao vivo pelo YouTube e streaming nas redes sociais da Justiça Eleitoral (Facebook e Twitter). Os interessados em participar deverão se inscrever no hotsite do evento até o dia 20 de junho. Confira a programação: http://www.tse.jus.br/hotsites/fakenews/

COMPARTILHE:
MATÉRIAS RELACIONADAS
31/10/2017 | Eleições 2018

Eleições 2018: candidatos poderão impulsionar conteúdos na internet (até que enfim!!!)

As #Eleições2018 prometem muita movimentação nas redes! Por quê? Porque com as alterações propostas pela reforma política, aprovadas pelo Congresso Nacional e sancionadas pelo presidente da Rep&u...
03/11/2017 | Eleições 2018

Eleições 2018: entenda como funcionará o novo fundo para financiamento de campanhas

Estimado em R$ 1,7 bilhão, o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente da República, e que já valerá para as Eleições2018, será c...
08/11/2017 | Eleições 2018

Reforma Política: ocupantes de cargos públicos podem doar aos seus partidos?

As #Eleições2018 estão batendo à porta e as mudanças propostas pela #ReformaPolítica mudarão, de forma significativa, o pleito do próximo ano. Um dos pontos que destacamos no blog post de hoje ...
08/11/2017 | Prestação de Contas

Por que os partidos políticos não arrecadam recursos? A resposta vai te surpreender!

Arrecadar recursos: tarefa nada fácil. Dá uma tremenda dor de cabeça, não é mesmo?! E ficam vários questionamentos: por que os filiados não doam? Será que é por que a imagem dos pol&iacut...